top of page

Papagaio pode tomar café com leite?

Atualizado: 14 de fev. de 2022

A resposta é não!

Atendendo a uma outra pergunta vamos conversar um pouco sobre o leite com café. É tão comum ouvirmos que papagaios “adoram” café com leite e não perdem uma refeição matinal juntamente com a família. Bom, vamos combinar que esse acaba sendo um problema mais comportamental do que “nutricional” relacionado à necessidade que temos de atribuirmos os nossos gostos e costumes aos animais sob os nossos cuidados. E eu tenho um bom exemplo disso que vou contar pra vocês daqui a pouco! Vamos aos aspectos nutricionais. Em relação ao café, procurei alguns trabalhos que subsidiassem a tomada de decisão para fornecer ou não o café para papagaios além dos inúmeros sites que dizem que a cafeína está relacionada aos problemas cardíacos. Sim, se pensarmos que a cafeína é utilizada como estimulante do sistema nervoso central por médicos veterinários podemos e devemos fazer essa associação, especialmente porque não temos um estudo sobre os parâmetros seguros de utilização na dieta. Um trabalho que tive acesso foi sobre a utilização de um subproduto (casca de café) sendo utilizada na alimentação de poedeiras. Nesse estudo, os autores apresentam uma margem segura de 150ppm de cafeína na alimentação desses animais. Outro estudo, agora relacionado ao leite, também na área de produção, utiliza leite em pó na fase de crescimento de frangos de corte com bons resultados. Vamos considerar alguns pontos nesses estudos. Há um tempo conversamos sobre utilizar estudos com animais domésticos para subsidiar a falta de estudos que ainda temos no campo dos selvagens. É preciso muito bom senso e cautela para fazer isso. Quando falamos da nutrição de cães e gatos como parâmetros para a elaboração da dieta de carnívoros selvagens, estamos falando de um universo semelhante. Quando falamos de nutrição para animais de produção, estamos em um campo completamente diferente, com parâmetros e exigências voltados para alta produtividade, em um curto espaço de tempo com um custo mínimo.


Quando lemos que uma margem de 150ppm de cafeína é segura para poedeiras e a utilização de leite em pó é boa para o crescimento de frangos, precisamos considerar o tempo produtivo/vida desses animais. Estamos falando de uma média de 2 a 3 anos para uma poedeira e de 42 dias para um frango de corte. Quando extrapolamos esses parâmetros para uma ave que vive até 60-70 anos como um papagaio, não temos a menor noção do efeito de longo prazo que esses produtos podem causar. Sabemos que as aves não são preparadas fisiologicamente para o consumo de leite e seus derivados e, portanto, não deveríamos investir tantos esforços nesses itens possuindo tantas outras opções mais próximas à realidade ecológica e fisiológica desses animais. Por esses motivos, não, não devemos oferecer café com leite para papagaios


Recebi no centro de triagem que trabalhava um papagaio verdadeiro de entrega voluntária.


Ele estava bem deprimido e apático. Não queria se alimentar e as tentativas de fornecer a dieta por sonda estavam deixando-o cada vez mais apático porque ele não nos conhecia, mudou o ambiente e parecia um animal bastante sofrido.


Passados 3 dias combinamos de levá-lo para dentro da sala onde eu trabalhava. Fizemos um poleiro e deixamos à disposição vários itens alimentares para ver se ele se interessava por algum. Nada.


No final do dia um dos tratadores veio à sala e me perguntou se poderia tentar oferecer café com leite. Eu quase surtei...como assim café com leite? Mas, naquele momento, tirei a beca de formatura e lembrei que quando um animal chega, devemos oferecer a ele o que está acostumado e que toda a alteração deve ser gradativa etc. O tratador preparou o café com leite e o pão e o danado comeu na hora. Pegava o pão, molhava no leite com café (e açúcar, pro meu desespero) e comia com uma alegria danada. Pois bem, no segundo dia, lá fomos nós com o café, leite e pão novamente e o papagaio todo alegre, já vocalizando e com muito mais disposição.


A questão nutricional ali não era a mais importante e, sim, o fato dele se sentir “em casa” mudando de ambiente e com a alimentação que ele estava habituado. Foi aí que eu fiz um teste. Peguei uma fatia de pão integral, entreguei pra ele com uma xícara de água. Pronto. Imediatamente ele repetiu o mesmo comportamento. O que tínhamos ali era um sinal claro de que precisávamos tratar aquele serzinho com mais paciência em relação à adaptação ao local, aos outros papagaios e à própria dieta.


À partir dali, fomos batendo a ração com a água, inserindo medicamentos importantes e, pouco a pouco, apresentando novos itens. Esse processo levou cerca de 1 mês e, após esse período, iniciamos a mudança do local, iniciando a socialização com os demais papagaios. Em 2-3 meses, ele aprendeu a se alimentar corretamente e já estava totalmente inserido dentro do grupo.


Observação, paciência e perseverança, componentes essenciais para a elaboração e implementação de uma dieta!